Páginas vistas en total

22 sept. 2014

A BRISA DO ORIENTE

SÁNCHEZ-GARNÍCA, PALOMA. A Brisa do Oriente. [La Brisa de Oriente]. Trad. Coutinho, Luís Miguel. S. Pedro do Estoril: Saída de Emergência, 2012. ISBN: 978-989-637-411-2/978-989-637-423-5



Sinopse:

Vol. I
Em 1204, acompanhando o seu abade, Umberto de Quéribus, um jovem monge de Cister, inicia uma viagem que o levará a Constantinopla. A partir desse momento, arrastado para perigos e situações extremas em que perde a candura infantil, a sua vida muda completamente.
Durante a viagem de regresso ao mosteiro, conhece a insensatez da guerra, a violência a imoralidade da avareza. Aprende as verdadeiras consequências da obediência cega e da enorme incerteza na distinção do que está certo e do que está errado. Umberto inicia uma luta constante entre o que lhe ensinaram e o que de facto sente. Na sua viagem é atingido pela flecha do amor indomável e descobre o desassossego provocado pelo sentimento de culpa. Sente pela primeira vez o ferrão do ressentimento e, sobretudo, o sentido mais profundo da amizade, encarnada no cavaleiro Esteban de Clary. Aprenderá o significado da cultura, a importância do que se escreve e o poder da palavra escrita. A sua aproximação inconsciente à heresia acaba por colocá-lo em perigo, ao ponto de se ver obrigado a abandonar o mosteiro depois de ver a catástrofe semeada à sua volta.

Vol. II

Alguns anos depois, Umberto de Quéribus reencontra o seu amigo, o cavaleiro Esteban de Clary, em Cinca. Na sua busca pelo conhecimento de outras doutrinas e pelas suas próprias origens, Umberto vai deparar-se com perigos constantes e situações arriscadas. Que segredo guardam os monges acerca da identidade da sua mãe?       
Que é feito de Constanza, o amor da sua vida, a mulher que o fez pôr em causa toda a sua crença eclesiástica? Em 1204, acompanhando o seu abade, Umberto de Quéribus, um jovem monge de Cister, inicia uma viagem que o levará a Constantinopla. A partir desse momento, arrastado para perigos e situações extremas, em que perde a candura infantil, a sua vida muda completamente. Durante a viagem de regresso ao mosteiro, conhece a insensatez da guerra, a violência desmedida e a imoralidade da avareza. Questiona a obediência cega e luta constantemente com a dualidade do que lhe ensinaram e o que sente. Aprende a amar e o sentido mais profundo da amizade. A sua aproximação inconsciente à heresia acaba por colocá-lo em perigo, ao ponto de se ver obrigado a abandonar o mosteiro depois de ver a catástrofe semeada à sua volta.

Mais informação:


A ALMA DAS PEDRAS

SÁNCHEZ-GARNÍCA, PALOMA. A Alma das Pedras. [El alma de las piedras]. Trad. Coutinho, Miguel. S. Pedro: Saída de Emergência, 2010. ISBN: 978-989-637-288-0.

Sinopse:
No ano de 824, três peculiares personagens: um ermita, um Bispo e o seu ajudante, descobrem uma tumba cujos restos mortais asseguram ser do apóstolo Santiago. Nasce assim, perto de Finis Terrae (lugar conhecido como o Fim do Mundo) o santuário de Santiago de Compostela. Para maior glória de Deus. Dois séculos mais tarde, uma jovem nobre, Mabilia, descobre uma marca criada pela mão de um pedreiro, que a conduz a um pergaminho no qual é relatado o milagroso achado dos restos mortais de Santiago. Mabilia decide empreender numa busca pela verdade. Na sua peregrinação conhecerá a bondade que inspira esta viagem, a construção de cidades, edificação de mosteiros, caminhos e pontes, bem como o lado mais obscuro dos pedreiros e do seu dom de "arrancar a alma às pedras" para evitar o esquecimento. A alma das pedras é uma intensa aventura com muita acção num mundo medieval repleto de mistérios e perigos, que cativará os leitores mais curiosos e inquietos.

Mais informação:
http://www.palomasanchez-garnica.com/

21 sept. 2014

A ILHA DO FINAL DO TEMPO

GONZÁLEZ, JAVIER. A Ilha do Final do Tempo. [Navigatio]. Trad. Rodrigues, Sónia. Parede: Saída de Emergência, 2010. ISBN: 978-989-637-209-5.

Sinopse:
A lenda de Borondón relata a existência de uma misteriosa ilha no atlântico, que aparece e desaparece ao longo dos séculos. esta ilha está cartografada por famosos navegantes, e o seu testemunho mais recente é uma fotografia publicada no ano de 1958. diz quem a viu, que é o paraíso na terra.Nas ruínas da Igreja de uma pacata vila, descobrem-se três objectos que haviam sido emparedados, talvez para nunca mais serem encontrados: Uma pena, os restos mortais de um monge, e um manuscrito de nome Navigatio. Alejandra, uma bela médica forense encarregada da autópsia dos restos mortais do monge, e o historiador Sebastian Cameron, ver-se-ão envolvidos numa investigação complexa e que pode mudar as suas vidas, a nossa história, e o conceito que temos do tempo. Mas terão que repetir a lendária viagem que os monges realizaram há 1.500 anos, e descobrir que no meio do Oceano Atlântico, por trás da névoa, se escondem as respostas há muitos séculos esquecidas pelo homem. Na Ilha do Final do Tempo.

Mais informação:
http://es.wikipedia.org/wiki/Javier_Gonz%C3%A1lez_Rodr%C3%ADguez

O PINTOR DE SOMBRAS

MARTÍN, ESTEBAN. O Pintor de Sombras. [El pintor de sombras]. Trad. Carreira, Renato. Parede: Saída de Emergência, 2009. ISBN: 978-989-637-103-6.

Sinopse:
Barcelona, finais do séc. XIX. Um dos maiores génios artísticos de todos os tempos é revelado ao mundo: Picasso. Desde criança que o seu talento irrequieto é avassalador. Picasso é um jovem rebelde que cedo vê os seus estudos académicos serem prejudicados pela sua irreverência. Depois de se apaixonar loucamente por uma mulher, ela abandona-o sem deixar rasto. Ela era a sua musa, a sua inspiração, a primeira mulher que amou verdadeiramente na vida. De coração partido, Picasso começa a procurar consolo na vida boémia e nos bordéis da rua Avignon. Mas tudo se complica quando alguém parece seguir os seus passos, deixando entre as prostitutas um rasto de mortes violentas que apontam Picasso como o principal suspeito. Uma por uma, as estranhas mortes vão-se tornando cada vez mais violentas e assemelham-se em tudo às que 10 anos antes assombraram as ruas de Londres. Poderá Jack, o Estripador, ter chegado a Barcelona?

Mais informação:

http://www.lecturalia.com/autor/2187/esteban-martin

ROSALÍA DE BRINGAS

PÉREZ GALDÓS, BENITO ANTÓNIO. Rosalía de Bringas. [La de Bringas]. Trad.  Lopes, José Manuel. Parede: Camões & Companhia, 2011. ISBN: 978-989-637-308-5.


Sinopse:
Fazendo uso de uma fina ironia, Galdós retrata a sociedade de Madrid dos tempos da rainha Isabel II, do minada por homens, expondo os vícios e costumes de uma época onde as mulheres eram seduzidas pela moda e sucumbiam à obsessão pela aparência. Ao estilo das grandes tragicomédias do século XIX, Rosalía de Bringas personifica a condição de mulher oprimida num meio patriarcal, evocando as obras de mestres do realismo como Gustave Flaubert, Eça de Queirós ou Émile Zola. Considerado pela crítica como uma das melhores obras de Benito Pérez Gal dós, o leitor está perante um romance sobre a ambição e o poder numa sociedade baseada nas falsas aparências.

Mais informação:


20 sept. 2014

A NOITE DO TAMARINDO

GÓMEZ RUFO, ANTÓNIO. A Noite do Tamarindo. [La noche del tamarindo]. Trad.  Martins, Maria Teresa. Parede: Saída de Emergência, 2009. ISBN: 978-989-637-147-0.


Sinopse:
Salvaria a vida do seu filho à custa da morte de outra criança? 
Seria capaz de recorrer a métodos ilegais para comprar mais tempo de vida?  
O amor ainda é o melhor refúgio do ser humano?Porque é que os governos do mundo colocam questões éticas ao avanço da Ciência?        
A Noite do Tamarindo dá resposta a estas e outras perguntas. Um romance apaixonante repleto de acção e com um ritmo espectacular que se desenvolve nos mais luxuosos cenários do mundo. Uma história para debater o futuro imediato, que já começou.

Mais informação:
http://gomezrufo.net/

A ILHA E OS DEMÓNIOS

LAFORET, CARMEN. A Ilha e os Demónios. [La isla y los demonios]. Trad.  Viseu, Virgílio; Rodrigues, Sofia Castro. Lisboa: Cavalo de Ferro, 2009. ISBN: 9789896231088. 

Sinopse:
Novembro de 1938. Em vésperas da 2ªguerra mundial a Espanha encontra-se mergulhada em plena guerra civil. A adolescente Marta Camino vive em Las Palmas, nas ilhas Canárias, com o seu irmão mais velho José, a cunhada Pino, e a mãe, Teresa, meio enlouquecida, fechada num dos quartos da casa. Marta ambiciona escapar desta família e anseia por uma vida fora da ilha. A chegada dos tios, fugidos da guerra, será para Marta a oportunidade que espera para concretizar o seu sonho de uma vida preenchida por novas sensações. Descobrirá no entanto, através de traições e desilusões, uma realidade brutal, plasmada no selvagem cenário da natureza envolvente.         
«A Ilha e os Demónios», publicado oito anos depois do enorme êxito de «Nada» - prémio Nadal em 1944 -, confirma o talento narrativo de Carmen Laforet, consagrando a autora como uma das mais importantes escritoras espanholas do sec.
XX.

Mais informação: